Rescaldo Evento Elite MiniFootball Portugal – Anadia 2019

Renovação do Título conquistado no verão, dá uma certa sensação de reinado eterno para as equipas do L.Lourosa FC/Florgrade (Futebol 7) e CSE Hools (Futebol 5).

Futebol 7

ARCOV, Juventus, Dream Team, L.Lourosa FC/Florgrade, Central Mensageiro, Bonde Sem Freio, Sadinos, 8125. 8 Equipas que atingiram grandes marcas no passado, juntavam-se a históricos como Café Trevos, Bueno FC/Espaço-Auto ou Manga Tropical, e a “jovens” equipas que vinham mostrando valor em finais anteriores (Balizas Auto-manaiacar, InnerJoin ou UD Palhota), bem como surpreendentes campeões locais como os Panike, Old Creators e Tubarões. Que grande final se esperava!

Não desiludiu. Espírito super competitivo, nível de jogo acima das últimas finais e um ambiente extremamente positivo! O que se viu, foram 22 Equipas a querer jogar bom futebol, preocupadas não só em ganhar como em respeitar o adversário. Algumas notas sobre o que se passou:

  1. Fase de Grupos irrepreensível da Juventus BH Foz, com 3 Jogos, 3 Vitórias. Registo 100% vitorioso que só aconteceu com os estreantes Sodamieks e campeões L.Lourosa FC/Florgrade.
  2. Estreantes. Nota muito positiva para as equipas do Panike, Sodamieks, Tubarões, Old Creators e Farmácia do Oural, que conseguem atingir a marca dos Oitavos-de-final, passando assim os playoff na sua primeira participação. Estrela maior para os Tubarões, que atingem mesmo os quartos-de-final na sua primeira participação no futebol 7.
  3. Históricos. Fim-de-semana de grande nível para os Dream Team, Bonde Sem Freio, Central Mensageiro e 8125 que atingem os Quartos/Meias Finais da prova. Certo que queriam vencer, mas só 1 pode ganhar e todas estas derrotas foram consentidas com candidatos ao título.
  4. Destaque individual para Fábio Ferreira (Sadinos), que acaba a marcar 7 golos em 4 Jogos (2º Melhor marcador da prova), apenas atrás de Bruno Batista (L.Lourosa/Florgrade) que acaba a fazer um total de 7 jogos.
  5. Finalistas. Duas equipas do distrito de Aveiro (Cortegaça), demonstraram o porquê de esta ser uma das Ligas mais conhecidas do país. Inspiram quem as vê atuar, formando em conjunto com um grupo muito especial de equipas da MiniFootball Portugal um lote de equipas de Elite. No final, o finalista vencido acabou por ser a única equipa a conseguir sair do tempo regulamentar empatado com o campeão, mas não teve a sorte que tinha tido na meia-final anterior na marca de grandes penalidades. Por sua vez, o agora penta-campeão nacional, ultrapassa semi-finalistas e vice-campeões de edições anteriores, bem como o seu maior rival de forma clara (4-1 vs Central Mensageiro), podendo por isso dizer-se que foi uma vitória final justa.

Com este resultado, o pódio de campeões nacionais continua fechado a 3 equipas, sendo que Central Mensageiro e L.Lourosa FC/Florgrade encontram-se agora ambas com 5 Títulos Nacionais, no total de 11 edições da prova.

Futebol 5

9 Equipas de 5 cidades diferentes completavam o lote que iria lutar pelo 10º Título Nacional de Futebol 5. Entre elas 3 equipas que já tinham conquistado o título no passado. Manga Tropical apresentava-se como favorito à vitória derivado ao seu registo desde o inicio da prova, mas o atual campeão nacional encontrava-se presente para defender o mesmo.

A nota predominante seria então a “experiência”. Internacional PB, HDS, InterSac, PFC e Boémios apresentavam equipas habituadas a estas andanças, e os CCDC Gandarela vinham de uma prestação notável a título regional. Tudo junto, fazia um contexto fantástico para esta final. Algumas notas sobre a mesma:

  1. Fase de Grupos com realidades distintas. Enquanto que no Grupo A os resultados foram desnivelados e o Manga Tropical impôs a sua superioridade, nos outros 2 grupos o equilíbrio foi bastante grande.
  2. Playoff difícil para a equipa dos Compact Records, apresentando-se apenas com 5 jogadores. No final, acaba consentindo um golo de bola parada após bastante insistência dos HDS. Os penaltis acabaram por sorrir ao conjunto lisboeta, deixando para trás uma equipa que prometia apresentar-se mais forte no 2º dia de competição.
  3. Imprevisibilidade dos resultados nas eliminatórias foi surpreendente. Manga Tropical chega a desperdiçar uma vantagem de 5 golos e InterSac e Boémios dão “show” num jogo disputado até final.
  4. Equilíbrio final. Qualquer uma das 4 equipas semi-finalistas poderia ter vencido o troféu. Na reedição da Final do último verão os CSE Hools voltaram a levar a melhor sobre o Manga Tropical com um golo solitário e os PFC acabam por perder nos penaltis depois de terem vencido as 2 partidas anteriores de forma clara.
  5. No final, as duas equipas finalistas revelaram aquilo que colocámos como principal destaque na antevisão da final: experiência. Não só pela idade média dos seus atletas, como no jogo realizado. A equipa Lisboeta tinha a meia-final como melhor registo à data (Lagoa, 2018) e procurou ao máximo contrariar a superioridade vimaranense. Objetivo não alcançado derivado a maior capacidade física apresentada pela equipa dos CSE Hools, que transpiraram para segurar a viória, mas que acabam como justos vencedores.

Com este Título, os Vimaranenses juntam-se ao Manga Tropical como a segunda equipa Bi-Campeã da prova, e a um conjunto muito restrito de campeões nacionais de Futebol 5.

Para consultar os resultados da Final:

Parabéns a todas as equipas!

Até Castelo Branco.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.